BISPOS DA GUINE-BISSAU ESCREVEM

Caríssimos irmãos e irmãs nas Dioceses de Bissau e Bafatá,

A todos, nossa saudação,

Com esta carta, congratulamo-nos com os esforços do Governo da Guiné-Bissau, Organismos Internacionais, Comunidades Religiosas no sentido de se prevenir contra a epidemia do vírus Ébola no nosso País.
 Com satisfação, temos notado o grande esforço da população guineense e de nossas comunidades paroquiais em colaborar na campanha de sensibilização, na limpeza dos lugares públicos, na organização e saneamento dos bairros e tabancas, etc,
Manifestando preocupação pela real ameaça do vírus, exortamos todas as nossas comunidades a procurarem sempre mais informações sobre a evolução da situação e que continuem a por em prática todas as medidas necessárias para a prevenção do referido vírus: que se siga colocando baldes com água e lixívia nas entradas das igrejas e locais de encontros para que todos possam lavar as mãos; que se evite encontros de férias; que se receba a comunhão nas mãos; que não se dê o abraço da paz durante a celebração da Santa Missa.
Através da Caritas Guiné-Bissau, da Comissão Justiça e Paz e da Rádio Sol Mansi será elaborado um programa de formação que permita às nossas comunidades participarem ativamente na campanha de sensibilização e prevenção do Ébola e de outras epidemias. Que todas as paróquias e missões estejam abertas às orientações a serem lançadas.

Como cristãos, fundados na Fé, continuemos a pedir ao Senhor que afaste esta doença dos nossos países e nos ajude a encontrar formas concretas de solidariedade com as populações mais afetadas.
Confiantes no Deus da Vida, enfrentemos este desafio com clarividência e coragem.

A todos, a nossa bênção.

Bissau, 15 de Setembro de 2014




Dom José Câmnate na Bissign                                                  Dom Pedro Carlos Zilli

          Bispo de Bissau                                                                       Bispo de Bafatá

SUZANA: COMUNIDADE EM FESTA

A celebração na igreja paroquial de Suzana
Devia ser e foi mesmo.  A festa celebrada em Suzana, no sábado, dia 13 de setembro,  para agradecer os cinquenta anos de ordenação sacerdotal do pe. Josè Fumagalli do PIME, pároco de Suzana, Diocese de Bissau, queria ser, segundo a vontade do aniversariante, uma festa de Igreja e não só uma homenagem a uma pessoa… E em Suzana conseguiram que fosse. Antes de mais nada foi inserida num contexto de celebração do sacramento da confirmação a 33 candidatos de 17 anos para cima. 

Profissão de fé dos crismandos junto as sepulturas do Pe. Marmugi e catequistas
Em segundo lugar, foi implementada com a ação de graças pelos aniversariantes do sacramento do matrimónio e pelas irmãs e os padres saídos das comunidades de Suzana.Desta forma, além da catequese do sacramento da crisma, houve a preparação ao longo de cinco retiros para os crismandos, guiados pelo próprio pe José, coadjuvado pelos catequistas e pelos adultos “iniciadores”. 

Dom Câmnate, Pe. Domingos, Dom Pedro, Pe. Abraão Cabral, Pe. José Fumagalli
Na última semana, uma novena com cinco temas rezados: o Espírito nos fez filhos de Deus no Batismo; o Espírito nos guia no caminho da vida; o Espirito nos conforma  a Cristo dando-nos os carismas para cumprirmos nossa missão na Igreja, como Reis (a vida do povo de Deus através do sacramento do matrimónio), como profetas e testemunhas (o carisma da consagração religiosa), como sacerdotes, participando da Eucaristia no  sacerdócio dos fiéis e celebrando a Eucaristia como sacerdotes ordenados. 

Pe. Zamberletti, Pe. Fumgalli, Dom Pedro, Alfonso Fumagalli, Dom Câmnate
Tudo num contexto de fé e de alegria, que quis ser um convite para os crismados a não pararem, como acontece muitas vezes, mas sim a se entregarem a Cristo na Igreja, empenhando-se a continuar com a força do Espírito, assumindo cada um sua “missão” no contexto da Igreja e da vida. Comovedora a profissão de fé feita junto às sepulturas do pe. Marmugi e dos primeiros catequistas, expressando a vontade de seguir na caminhada cristã por eles começada  em Suzana. Significativa a presença de Pe. Domingos Tchuda, jovem missionário do PIME recém ordenado, comunicando sua alegria de responder à vocação recebida.
Dom Câmnate, Pe. Domingos Tchuda, Pe. José Fumagalli, Dom Pedro
Na celebração estiveram presentes os Bispos de Bissau e de Bafatá, Dom José Câmnate e Dom Pedro Zilli, o Superior do PIME na Guiné Bissau pe Alberto Zamberletti, padres e irmãs em bom número, os pais do pe. Abraão Cabral que trabalha em Suzana, testemunhando a alegria duma família cristã que deu um filho à Igreja e muitos amigos. As comunidades de Suzana estão de parabéns com um elevado número de famílias cristãs, seis irmãs e quatro padres (dos quais, um já foi chamado a receber o prémio), os seminaristas e estes jovens confirmados que aparentam boa vontade de seguir as pegadas destes irmãos mais velhos.


HERMANAS FRANCISCANAS DE LA INMACULADA CONCEPCION ENTRAM EM NHOMA



São três as novas irmãs que chegaram ontem (3 de Setembro), a Nhoma: Sílvia, Nélida e Elvira. Pertencem à congregação das “Hermanas Franciscanas de la Inmaculada Concepcion”, presentes na Guiné-Bissau desde os anos ’80 (na pediatria do hospital nacional Simão Mendes) e mais recentemente instaladas em Bambadinca (1993) e em Contum-Madina (2000).
As novas irmãs vem substituir as irmãs franciscanas do Coraçao Imaculado de Maria, que deixaram a missão em 2004, depois de 18 anos de presença. Espera-se que a chegada destas irmãs dê novo impulso à evangelização e aos setores da saúde, da educação e da promoção humana na nossa comunidade. 



BENEDITINAS DA DIVINA PROVIDÊNCIA EM RETIRO ESPIRITUAL

 

As Irmãs Beneditinas da Divina Providência presentes nas duas diocese de Bissau e Bafatá, organizaram, de 16 a 22 de agosto,  um retiro de 8 dias na comunidade de Catió. O tema do retiro era: “As nossas Constituições à luz da Exortação de Papa Francisco, Evangelii Gaudium (a alegria do Evangelho)”. Pe. Celso Corbioli que orientou o retiro, salientou que “foi uma boa surpresa ver quantas vezes a palavra ‘alegria’ está contida nas Constituições. Esta exortação de Papa Francisco foi então uma grande ajuda para descobrir uma dimensão nova na nossa vocação religiosa”. Pe. Celso recorda que “o Papa diz que onde há os religiosos e as religiosas há alegria”. O retiro foi uma oportunidade para tomar consciência que as religiosas e os religiosos alegres transmitem paz e serenidade. É esta também uma maneira de evangelizar, de anunciar o Evangelho ao mundo.